fbpx Descoberto novo dinossáurio gigante do Cretácico Inferior da Península Ibérica | ULisboa

Descoberto novo dinossáurio gigante do Cretácico Inferior da Península Ibérica

Descoberto novo dinossáurio gigante do Cretácico Inferior da Península Ibérica

Descoberto novo dinossáurio gigante do Cretácico Inferior da Península Ibérica

Share Descoberto novo dinossáurio gigante do Cretácico Inferior da Península Ibérica

O líder do estudo é Pedro Mocho, investigador do IDL Ciências ULisboa.

Novo estudo publicado na revista Zoological Journal of the Linnean Society descreve um novo dinossáurio saurópode que viveu na Península Ibérica há 122 milhões de anos. Esta nova espécie de dinossáurio, apelidada de Garumbatitan morellensis, foi descrita a partir de restos descobertos em Morella (Castelló, Espanha) por uma equipa de paleontólogos portugueses e espanhóis e permitiu ampliar a diversidade de dinossáurios conhecida num dos melhores registos fósseis do Cretácico Inferior da Europa.

O estudo foi liderado pelo paleontólogo português Pedro Mocho, investigador do Instituto Dom Luiz, polo da Ciências ULisboa, e integra os projetos desenvolvidos no Grupo de Biología Evolutiva da Universidad Nacional de Educación a Distancia na região de Morella. Para além dos cientistas integrantes destes dois grupos, nesta publicação participam investigadores do Institut Català de Paleontologia, Grup Guix de Vila-real, Museo de Ciencias Naturales de València, Universitat Jaume I de Castelló, Universidad Autónoma de Madrid (Espanha) e do Natural History Museum of Los Angeles County (EUA).

Os depósitos sedimentares que afloram na região de Els Ports de Morella (Espanha) contêm um abundante registo de dinossáurios do Cretácico Inferior, com cerca de 122 milhões de anos. Em particular, alguns dos primeiros restos de dinossáurios encontrados em Espanha foram descobertos na região de Morella. Nos últimos anos, foram encontrados numerosos fósseis de vertebrados mesozoicos nas proximidades desta localidade, alguns dos quais com enorme relevância, incluindo uma importante coleção de dinossáurios ornitópodes, entre os quais se destaca Morelladon beltrani, e dinossáurios saurópodes.

Os restos deste novo dinossáurio foram encontrados e escavados nos sedimentos que afloram na localidade de Morella nos anos de 2005 e 2008 na jazida de Sant Antoni de la Vespa. Nesta jazida foi reconhecida uma das maiores concentrações em restos de dinossáurios saurópodes do Cretácico Inferior europeu, e na qual foram identificados elementos de pelo menos quatro indivíduos, três dos quais pertencentes a esta nova espécie. Sant Antoni de la Vespa constitui assim uma das localidades chave para o estudo das faunas de dinossáurios de Espanha para este período.

“Um dos indivíduos encontrados destaca-se pelo seu grande tamanho, com vertebras de mais de um metro de largura, e um fémur que poderia alcançar dois metros de longitude; nesta jazida foram encontrados dois pés quase completos e articulados, que são particularmente raros no registo geológico” afirma Pedro Mocho.

Neste artigo é apresentada uma descrição detalhada dos restos fosseis encontrados em Sant Antoni de la Vespa, sendo identificado um conjunto de características anatómicas diferente de outros dinossáurios saurópodes. Garumbatitan carateriza-se pela morfologia singular do fémur (o osso superior da perna) e dos elementos que formam o pé. O fémur apresenta uma morfologia similar aos fémures de saurópodes mais modernos do Cretácico Superior. Este estudo analisa ainda as relações de parentesco de Garumbatitan morellensis e de outros dinossáurios saurópodes do Cretácico Inferior da Península Ibérica. Garumbatitan é um dos membros mais primitivos de um grupo de saurópodes denominados Somphospondyli, que corresponde a um dos grupos mais diversos e abundantes durante o Cretácico e que se extingue no final do Mesozoico.

Finalmente, este estudo coloca em evidência a enorme complexidade da história evolutiva dos saurópodes do Cretácico europeu, em particular, da Península Ibérica, com espécies aparentadas com linhagens presentes em Ásia e América do Norte, assim como alguns grupos aparentados com formas do continente africano. Estes resultados sugerem a existência de períodos de dispersão de faunas entre estes continentes. O futuro restauro de todos os materiais fósseis encontrados nesta jazida adicionará informação importante para compreender a evolução inicial deste grupo de saurópodes, que dominou as faunas de dinossáurios durante os últimos milhões de anos da era mesozoica. 

O nome da nova espécie Garumbatitan morellensis contém uma dupla referência: Garumbatitan significa “o gigante da Garumba” pelo facto deste exemplar ter sido encontrado na base da Mola de la Garumba, um dos relevos mais altos da região de Els Ports. O nome específico morellensis faz referência à localidade em que se situa a jazida. Os restos fósseis de Garumbatitan morellensis formam parte de uma das maiores coleções de vertebrados fósseis do Mesozoico Ibérico depositadas no Museu Temps de Dinosaures de Morella.

Imagem: GBE-UNED

Fonte: Faculdade de Ciências da ULisboa

1


NOTÍCIAS DA ULISBOA

Para que esteja sempre a par das atividades da ULisboa, nós levamos as notícias mais relevantes até ao seu email. Subscreva!

SUBSCREVER