FATAL - Festival Anual de Teatro Académico de Lisboa

FATAL - Festival Anual de Teatro Académico de Lisboa

O FATAL, tem por missão promover e divulgar o Teatro Universitário português, continuando a garantir-lhe um lugar de honra na vida cultural portuguesa e destacando Lisboa na rota dos grandes festivais europeus de teatro universitário.

 

O Teatro Universitário, desenvolvido no âmbito das instituições de Ensino Superior, é, sem dúvida, uma das atividades extracurriculares estudantis de maior significado sociocultural e histórico no meio universitário português. Não só pela sua notável qualidade e tradição histórica, mas igualmente pelo alto nível de adesão, em cada novo ano letivo, dos estudantes (atores e espectadores) e pela surpreendente longevidade dos grupos de teatro, alguns com idade muito perto do meio século.

 

Sendo, claramente, o ex-libris da vida cultural universitária e um expoente artístico da formação humanista como o testemunham os percursos biográficos das mais diversas figuras de proeminência histórica, política e cultural do nosso país, a Universidade de Lisboa tomou a iniciativa de criar, em 1999, uma mostra do teatro universitário e integrá-la nos circuitos regulares da vida cultural lisboeta.

 

Atualmente, já com 18 edições realizadas, tem apresentado espetáculos pelas principais salas de Lisboa, desde o Teatro da Trindade, ao Teatro Municipal Maria Matos e São Luiz, Teatro Nacional Dona Maria II, Teatro da Politécnica, Comuna Teatro de Pesquisa e também por salas mais recentes como o Teatro do Bairro e Rua das Gaivotas, assim como em variados espaços da Universidade. Anualmente apresenta cerca de 20 espetáculos, distribuídos por duas categorias, Em Competição (após seleção de júri especialista), Mais Fatal e cerca de 5 espetáculos internacionais na categoria Fatal Convida (espanhóis, franceses, italianos, marroquinos, brasileiros, etc).

 

O festival tem uma Programação Paralela composta, sobretudo, por Masterclasses, workshops, conferências e cursos que têm sido dinamizados por vários profissionais do sector em Portugal, tais como, Luis Miguel Cintra, Jorge Silva Melo, João Mota, João Brites, Patrícia Portela, José Maria Vieira Mendes, Miguel Castro Caldas, André E. Teodósio e alguns internacionais: Joris Lacoste, Panaibra Canda e Boyzie Cekwana. Nas últimas 10 edições, através de uma parceria com o MEF – Movimento de Expressão Fotográfica, tem realizado um Workshop de Fotografia de Artes Performativas, constituindo assim um Arquivo com milhares de imagens. Tem também mais de 100 espetáculos registados em vídeo.

 

O FATAL, no estatuto de mais importante evento promotor do Teatro Universitário português, tem ainda assumido a incumbência de homenagear, em cada edição, uma personalidade de relevo na História do Teatro Universitário dando, assim, voz ao sentimento de gratidão a todos aqueles que foram ou são decisivos na formação humanista das novas gerações, através da prática teatral. Já foram homenageados: Vasco Malaquias de Lemos, Paulo Quintela, José de Oliveira Barata, Adolfo Gutkin, Luís de Lima, Jorge Listopad, Emílio Rui Vilar, José Barata-Moura, Gefac – Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra e Yvette K. Centeno.