Jardim Botânico de Lisboa

Data de Construção / Inauguração: 
1878

Jardim Botânico de Lisboa

O Jardim Botânico de Lisboa, que pertence ao Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MUHNAC), alia uma enorme diversidade de espécies (entre 1.300 e 1.500) à beleza e fascínio dos seus recantos e declives que convidam à sua descoberta demorada. Algumas árvores são particularmente interessantes pela sua monumentalidade e porte. A notável diversidade de palmeiras, vindas de todos os continentes, confere inesperado cunho tropical a diversas localizações do Jardim. As cicadáceas são um dos ex-libris do Jardim. Autênticos fósseis vivos, representam floras antigas, que na maioria se extinguiram e que só em jardins botânicos se conservam. O Jardim é particularmente rico em espécies tropicais originárias da Nova Zelândia, Austrália, China, Japão e América do Sul, o que atesta as peculiaridades dos diferentes microclimas criados neste Jardim pela implantação topográfica em que se insere. O Jardim data de 1878. O primeiro jardim utilizado pelos alunos da Politécnica foi o Jardim Botânico da Ajuda, cuja tutela científica e administrativa passou para a Escola em 1839. Em 1873 iniciam-se os trabalhos do novo jardim, por iniciativa do Conde de Ficalho (1837-1903). O Jardim esteve aberto ao público desde o seu início de funcionamento em 1878. Congrega a coleção carpológica e o Index Seminum. Foi classificado como Monumento Nacional em 2010, integrando todo o património artístico (esculturas) e edificado que nele se encontra: Observatório Astronómico da Escola Politécnica, Edifício dos Herbários, Estufas, Palmário, e antiga estufa em madeira.

Morada: 
Rua da Escola Politécnica 54
1250-096 Lisboa
Portugal