fbpx Doutoramento Honoris Causa de Jorge Silva Melo e Luis Miguel Cintra | ULisboa

Categoria de Eventos

Doutoramento Honoris Causa de Jorge Silva Melo e Luis Miguel Cintra

Doutoramento Honoris Causa de Jorge Silva Melo e Luís Miguel Cintra
18 de Maio de 2021
11:00
Online

Doutoramento Honoris Causa de Jorge Silva Melo e Luis Miguel Cintra

A Universidade de Lisboa, sob proposta da Faculdade de Letras, vai atribuir o grau de Doutor Honoris Causa a Jorge Silva Melo e Luis Miguel Cintra.

Share Doutoramento Honoris Causa de Jorge Silva Melo e Luis Miguel Cintra

No atual contexto da situação de Pandemia por COVID-19, a assistência à Cerimónia será online (o link será disponibilizado nesta página no dia 11 de maio

Jorge Silva Melo 
Tem Licenciatura em Filologia Românica pela Faculdade de Letras de Lisboa. Estudou na London Film School. Fundou e dirigiu, com Luís Miguel Cintra, o Teatro da Cornucópia (1973/79). Bolseiro da Fundação Gulbenkian, estagiou em Berlim junto de Peter Stein e em Milão junto de Giorgio Strehler. É autor do libreto de Le Château dês Carpathes (baseado em Júlio Verne) de Philippe Hersant, das peças Seis Rapazes Três Raparigas, António, Um Rapaz de Lisboa, O Fim ou Tende Misericórdia de Nós, Prometeu, Num País Onde Não Querem Defender os Meus Direitos, Eu Não Quero Viver baseado em Kleist, de Não Sei (em colaboração com Miguel Borges), O Navio dos Negros, A Fala Da Criada Dos Noailles Que No Fim De Contas Vamos Descobrir Chamar-Se Também Séverine Numa Noite Do Inverno De 1975, Em Hyères, Sala Vip e O Grande Dia da Batalha. Fundou em 1995 a sociedade Artistas Unidos de que é director artístico. Realizou as longas-metragens Passagem ou A Meio Caminho, Ninguém Duas Vezes, Agosto, Coitado do Jorge, António, Um Rapaz de Lisboa, a curta-metragem A Felicidade. E os documentários António Palolo e Joaquim Bravo, Évora, 1985, etc, etc, Felicidades, Conversa com Glicínia, Conversas em Leça em Casa de Álvaro Lapa, Nikias Skapinakis - O Teatro dos Outros, Álvaro Lapa: A Literatura, António Sena, A Mão Esquiva, Ângelo de Sousa: Tudo o que sou capaz, A Gravura: Esta Mútua Aprendizagem, Bartolomeu Cid dos Santos / Por Terras Devastadas, Ana Vieira: e o que não é visto, Nikias Skapinakis (continuando) 2012, A África de José Guimarães, Ainda não Acabámos, como se fosse uma carta, Sofia Areal: Um Gabinete Anti-dor e Fernando Lemos – como? Não é retrato?. Traduziu obras de Carlo Goldoni, Luigi Pirandello, Oscar Wilde, Bertolt Brecht, Georg Büchner, Lovecraft, Michelangelo Antonioni, Pier Paolo Pasolini, Heiner Müller, Harold Pinter e Max Frisch, entre outros. 

Luis Miguel Cintra 
Nasceu em Madrid em 1949. Iniciou a sua carreira de actor e encenador em 1968 no Grupo de Teatro da Faculdade de Letras de Lisboa. Frequentou a Bristol Old Vic Theater School em Inglaterra. Em 1973 fundou em Lisboa com Jorge Silva Melo o Teatro da Cornucópia que desde essa data dirigiu, a partir dos anos 80, com Cristina Reis, e onde durante 43 anos encenou e representou textos de todo o repertório teatral. Em 1984 participou com o seu grupo no Festival de Teatro da Bienal de Veneza. Ainda em 1988 encenou para o Festival de Avignon, com Maria de Medeiros, o espectáculo La Mort du Prince et Autres Fragments de Fernando Pessoa que voltou a apresentar no ano seguinte, no Festival de Outono de Paris. Em 1991 apresentou-se com o Teatro da Cornucópia em Bruxelas por ocasião da Europália e em Udine para uma das sessões de L'École des Maîtres que lhe foi dedicada. Em 1997 interpretou no Théâtre de la Commune-Pandora, AubervilliersParis, Sertorius de Pierre Corneille, enc. de Brigitte Jaques. Em 2005 encenou no Teatro de la Abadía de Madrid Comedia sin Título de Federico Garcia Lorca. Como encenador de ópera, encenou no Teatro de S. Carlos em Lisboa L'Enfant et les Sortilèges de Ravel e Dido e Eneias de Purcell em 1987; As Bodas de Figaro de Mozart em 1988, L’Isola Disabitata de Haydn em 1997; Jeanne d’Arc au Bûcher de Honneger/Claudel em 2003, Medea de Cherubini em 2005, Dialogues des Carmélites dePoulenc em 2016 e The Rape of Lucrecia de Britten em 2018. Sob a direcção musical de João Paulo Santos, encenou, além destas duas últimas: em 1990, em co-produção com a R.T.P., no Teatro da Cornucópia, Façade e O Urso de William Walton; em 1996, na Culturgest, The Strangler de Martinu; em 2000, em co-produção do Teatro da  cornucópia/Culturporto/Teatro Nacional de S.Carlos/Orquestra Nacional do Porto, The English Cat de H.W.Henze/E.Bond e em 2004 Le Vin Herbé de Frank Martin para o Teatro Aberto. Como recitante colaborou com o Coro do Teatro Nacional de S. Carlos, com o Coro Gulbenkian, e com Nuno Vieira de Almeida em recitais com obras de HansWerner Henze, Honneger, Schubert, Lizt, Satie, Poulenc e Garcia Lorca. Para o Teatro de S. Carlos fez a direcção de actores e interpretou o papel titular de Manfred de Schumann/Byron sob a direcção musical de Marko Letonja. Faz regularmente recitais de poesia e gravou a leitural integral para a rádio de Viagens na Minha Terra de A. Garrett e, em cassette, Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco. Gravou CDs com poemas de Fernando Pessoa, Sophia de Mello Breyner, Ruy Belo, Camões, Antero de Quental, Gastão Cruz, dois sermões de António Vieira, todas as Canções de Camões e o Apocalipse de João. No cinema interpretou filmes de João César Monteiro, Paulo Rocha, Luis Filipe Rocha, Solveig Nordlund, Jorge Silva Melo, Manoel de Oliveira, Christine Laurent, José Álvaro de Morais, Pedro Costa, Joaquim Pinto, Maria de Medeiros, Patrick Mimouni, Teresa Vilaverde, João Botelho, Pablo Llorca, Jorge Cramez, John Malkovich, Raquel Freire, Jean-Charles Fitoussi, Catarina Ruivo, Margarida Gil, João Constâncio, João Nicolau.

Programa (a disponibilizar em breve)

 

 

1


NOTÍCIAS DA ULISBOA

Para que esteja sempre a par das atividades da ULisboa, nós levamos as notícias mais relevantes até ao seu email. Subscreva!

SUBSCREVER