fbpx O Montado não existe sem nós | ULisboa

Categoria de Eventos

O Montado não existe sem nós

O Montado não existe sem nós
24 de Junho de 2021
17:00 a 18:00
Online

O Montado não existe sem nós

O montado surge por desbravamento do bosque mediterrânico há cerca de 9000 anos. Foi criado para produzir alimento em zonas semiáridas, estando adaptado a pouca água e a solos pobres, que ajuda a preservar. Este ecossistema oferece resiliência às alterações climáticas e à perda de biodiversidade. Por isso, encontra-se protegido.

Share O Montado não existe sem nós

O montado só existe no Mediterrâneo e, para existir, requer intervenção humana: são o pastoreio e as atividades agrícolas que o mantêm. O sobreiro dá a cortiça e é o personagem principal do montado português. A azinheira predomina no interior mais seco. Este ecossistema combina árvores com a produção de carne, como o porco preto, que se alimenta de bolotas e de ramos de azinheiras quando a erva escasseia. Ervas, arbustos e árvores são habitats de outras espécies: líquenes, insetos, aves e mamíferos, incluindo o lince-ibérico. A biodiversidade é enorme.

Com: 
António Padeirinha | Câmara Municipal de Viana do Alentejo - Divisão de Desenvolvimento Social e Humano
João Rui Ferreira | APCOR - Associação Portuguesa de Cortiça 
Pedro Rocha | Herdade da Contenda
Rui Alves | Companhia das Lezírias 

Moderação:

Cristina Branquinho | FCUL | cE3c
Comissária da Exposição "Variações Naturais - Uma viagem pelas paisagens de Portugal"
Professora Associada com Agregação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e Investigadora no Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais. O seu principal objecivo de investigação passa pela melhoria do bem estar humano através da compreensão de como os fatores antrópicos globais (poluição, eutrofização, mudanças do uso do solo, mudanças climáticas, etc) afetam a estrutura e funcionamento dos ecossistemas, assim como as consequências para o fornecimento de bens e serviços destes. Para isso desenvolve estratégias de monitorização para mitigar, adaptar e restaurar os ecossistemas e a sua biodiversidade num contexto de mudança global. Essas estratégias de monitorização passam por desenvolver, testar, modelar e rastrear indicadores ecológicos de alerta precoce dos fatores de mudança ambiental em ambiente natural, rural e urbano.
 

1


NOTÍCIAS DA ULISBOA

Para que esteja sempre a par das atividades da ULisboa, nós levamos as notícias mais relevantes até ao seu email. Subscreva!

SUBSCREVER