Estudantes do Instituto Superior Técnico arrasam em hackathon internacional de computação quântica

Estudantes do Instituto Superior Técnico arrasam em hackathon internacional de computação quântica

Estudantes do Instituto Superior Técnico arrasam em hackathon internacional de computação quântica

Share Estudantes do Instituto Superior Técnico arrasam em hackathon internacional de computação quântica

Três estudantes de Engenharia Informática do Instituto Superior Técnico (IST) da Universidade de Lisboa (ULisboa) integram a equipa que venceu o Quantum Information for Developers (QuID 2019).

Os estudantes do Técnico que conquistaram o feito são Diogo Soares, Pedro Ramos e Miguel Bastos, estudantes de Engenharia Informática e de Computadores.

A ideia de participar nesta competição tem uma história muito singular por trás, feita de muita curiosidade e autodidatismo. Diogo Soares começou a ter contacto com Computação Quântica no verão de 2018 ao aceder à plataforma Cloud da IBM que permite a interação em tempo real com computadores quânticos! “Após entrar no curso de Engenharia Informática e de Computadores comecei a conversar com o Pedro [colega de curso e equipa] sobre este assunto e foi curiosamente ele que ao pesquisar sobre Computação Quântica se deparou com um website da ETH Zurich onde havia imenso material digital sobre a área”, recorda Diogo Soares. Os dois estudantes começaram a assistir a aulas virtuais e “após longos dias de dificuldades e muita pesquisa”, lá conseguiram “formular conhecimento sólido sobre a matéria”, lembra Diogo Soares. Nesta história, Miguel Bastos acaba por ser o elemento influenciado pelo novo interesse dos outros dois amigos do grupo. “Quando começamos a aprender sobre esta matéria, o Miguel também se revelou interessado em aprender, e como tal, a partir do momento em que soubemos que ia haver uma edição este ano do curso percebemos que tínhamos de participar”, partilha Diogo Soares.

Tomados pela curiosidade e entusiasmo o grupo de três estudantes rumou a Zurich para o curso que incluía a hackathon que acabaram por vencer. A equipa de estudantes do IST – a que se juntou um jovem da República Checa que conheceram por lá, Viktor Fukala –  competiu contra 12 equipas de todo o mundo.  A equipa escolheu um dos temas propostos que consistia num problema exposto por um dos professores numa das primeiras aulas, superando o desafio sem grande dificuldade – demorando apenas 2 horas a resolver o mesmo. “Questionámo-nos se faria sentido mudar de tema por este ser acessível, no entanto, decidimos criar variações mais complicadas do problema, tornando o enunciado mais original e interessante. Algo de que estamos muito orgulhosos”, partilha Diogo Soares.

A equipa dos estudantes do IST era a mais jovem em competição, o que por si só poderia ter aumentado o grau de dificuldade do desafio, não estivessem eles a competir com estudantes de mestrado e doutoramento. Ainda assim, como confessa Diogo Soares os principais desafios foram: “os poucos conteúdos que se encontram disponíveis para Cirq [ferramenta da Google para computação quântica] e a gestão do pouco tempo disponibilizado”.  Para vencer, a equipa acredita ter sido crucial o facto de terem “uma boa ideia, bom trabalho de equipa e termos conseguido potenciar os pontos fortes de cada um de nós”, sublinha Diogo Soares.

Nesta história revelou-se também crucial a “influência positiva do Professor Yasser e do seu grupo de Computação Quântica”, revela Diogo Soares, “em particular no Encontro da Ciência onde tivemos a possibilidade de o ouvir discursar sobre computação quântica e onde também tivemos o prazer de assistir à primeira comunicação com tecnologia quântica efetuada pelo IT”, recorda Diogo. É caso para dizer que é uma história que ainda agora começou, mas na qual não faltam motes para continuar.